Animais Incríveis: Mamífero planador é o primo mais próximo de macacos e humanos

DNA revelou que colugos, do Sudeste Asiático, são 'galho' vizinho dos primatas na evolução.Pesquisa pode ajudar a entender raízes genéticas da própria humanidade.


Anote este nome: colugo. Você muito provavelmente não tem a mínima idéia do que se trata, então aí vai um resumo: pequeno, felpudo, com uma membrana gigantesca de pele entre os membros que lhe permite planar -- e agora, de acordo com um grupo de pesquisadores, ele também está sacramentado como o parente mais próximo dos os primatas, o grupo que inclui o homem e todos os outros macacos.
A reclassificação do bicho como um primatomorfo, ou seja, como a coisa mais próxima de um primata sem ser um primata, está num artigo na revista especializada americana "Science" desta semana. No trabalho capitaneado por William J. Murphy, da Universidade do Texas A&M, uma comparação genética abrangente, envolvendo vários primatas (como humanos, chimpanzés, orangotangos e lêmures) e outros mamíferos, ajudou a resolver o que ele define como "uma controvérsia muito antiga".
"Até hoje não se sabia se os parentes mais próximos dos primatas eram os colugos, os musaranhos-arborícolas ou ambos", declarou Murphy ao programa de rádio online da "Science". É difícil saber quais das duas opções é uma esquisitice maior. Enquanto os colugos, também chamados de lêmures-voadores, parecem o cruzamento mal-ajambrado de um morcego com um esquilo, os musaranhos-arborícolas lembram ratazanas pós-atropelamento.

O animal dá uma de suas demonstrações de proeza planadora (Foto: Norman Lim/Universidade Nacional de Cingapura)

Não é exatamente o tipo de parente que as pessoas gostam de apresentar para a namorada. Os colugos, em especial, "parecem fantasmas no meio da mata, planando feito morcegos ou pipas. São bem esquisitos mesmo", afirma Murphy.
Mesmo assim, a anatomia das espécies atuais e a dos fósseis deixa claro que as duas bizarrices estão bem próximas dos primatas. Para tirar a prova dos nove e ver qual era o mais próximo de nós, Murphy e companhia examinaram quase 200 mil éxons -- os pedaços dos genes que servem de base para a produção de proteínas. Modificações em éxons compartilhadas entre primatas e seus parentes poderiam resolver o enigma, raciocinou a equipe.
De fato, após um árduo processo de comparação genética, a estratégia deu certo. Pequenas diferenças, representadas, por exemplo, pelo sumiço de pedaços de DNA, colocaram os colugos definitivamente como o grupo-irmão dos primatas, como se diz no jargão científico.

Animal da espécie Galeopterus variegatus leva até o filhotinho pelos ares (Foto: Norman Lim/Universidade Nacional de Cingapura)
Para ser mais preciso, eles estimam que os colugos e nós primatas formávamos um único grupo até uns 85 milhões de anos atrás, quando houve a divergência que daria origem aos mamíferos planadores. Os achados podem parecer mera curiosidade biológica -- mas estão longe disso, segundo Murphy.
"A questão aqui é saber quais mudanças anatômicas e moleculares aconteceram ao longo da evolução para que os primatas surgissem", afirma o pesquisador americano. Assim, por mais maluco que pareça, entender os colugos pode ser um passo importante para entender a nós mesmos.

Fonte:
Reinaldo José Lopes Do G1, em São Paulo

0 comentários: